Cativo - Exposição de Escultura de Rui Ferro 12 Out

Cativo - Exposição de Escultura de Rui Ferro

CATIVO é uma obra da autoria de Rui Ferro, originada no desenvolvimento da dissertação para doutoramento, concluída em Abril do corrente ano, na FBAUP. 

CATIVO é uma instalação, compreendendo no espaço elementos físicos e fotografias das acções de performance que o autor realizou, implicando-os e aproximando-se das posturas corporais de quatro estátuas dos Cativos de Michelangelo Buonarroti. Estes interferem nas poses, sobrepondo-se a zonas indefinidas das estátuas, inaugurando uma relação específica e directa com o corpo nu do autor.

No projecto CATIVO, o autor propõe-se como um modelo nu, possivelmente um dos mais fortes traços identitários da sua formação de Belas Artes, nos anos noventa do século XX. Foi o seu corpo, na sua realidade contemporânea, que o autor propôs ao diafragma dos fotógrafos.

Foi esse corpo limitado que quis propor ao pesar da acção performativa de Cativo.
Quieto, empedernido, todo potência, mas preso à sua realidade de Cativo. Cativo da sua própria história. Dos “blocos” onde habita, onde se aprisiona. Cativo da sua identidade.

Diz-nos Maurice Merleau-Ponty:
For us the body is much more than an instrument or a means; it is our expression in the world, the visible form of our intentions. Even our most secret affective movements, those most deeply tied to the humoral infrastructure, help to shape our perception of things.”

No final do séc. XIX, a prática da escultura conhece um ponto de viragem, passando de arte corpórea a arte espacial, de tal forma que por vezes se confunde com outras disciplinas, como a arquitetura. É esta experimentação da arte espacial  que Rui Ferro explora, seja com a instalação de elementos a sugerir memórias  – “Do meu telhado vê-se África”, a sugerir referências da história de arte – “Cativo – segundo peça de Michelangelo Buonarroti, intitulado  Gigante Barbado”; ou procurando processos de autorrepresentação, que designa como “Taxidermias” (termo grego que significa “dar forma à pele”).

A Faculdade de Belas Artes do Porto, onde o Rui Ferro é professor, esteve representada por professores e alunos, entre outros convidados, tendo havido a oportunidade de ouvirmos “o professor” a explicar um pouco do seu trabalho, enquanto cativo do seu atelier.

Com a inauguração decorrida a 10 de outubro, poderá visitar a exposição até dia 31 de outubro, no espaço Tenente Valadim entre as 9h e as 19h, nos dias úteis. Saiba +

Facebook Twitter Google+